15.7.08

Cheguei a um limbo

Cheguei a um limbo: fundo vazio de silenciosa brancura,
volto à ausência, ao ventre da sombra, onde sou uma
semente adormecida no enigma da brisa. A minha alma é ao
mesmo tempo a tecedeira das viagens e a pastora calada na
absoluta imobilidade da recepção.

Sem comentários:

fotografia e selecção de poemas de João Silva